Confraria

História

As confrarias remontam à Idade Média, época em que os mestres de cada ofício (mester) se organizavam nas chamadas irmandades mesteirais com o objetivo de defender interesses comuns ligados à sua atividade. Surgem assim nessa época as primeiras confrarias de mestres cervejeiros.

Inspirada na tradição das irmandades, no reconhecimento da importância da Cerveja enquanto símbolo de convivialidade, partilha e celebração e na defesa da arte cervejeira enquanto atividade de relevo para a economia portuguesa, a Confraria da Cerveja nasce do sonho e da vontade de sete ilustres personalidades do setor cervejeiro: António Augusto Monteiro Ferreira, João Manuel Jacques de Carvalho e Sousa, José Manuel dos Santos Pinto, Luís Filipe de Almeida Malha Valente, Manuel Ferreira De Oliveira, Paulo Tiago Mesquita de Araújo Ferreira Duarte e Pedro Manuel Baptista Moreira da Silva.

Oficialmente constituída em abril de 2003, enquanto entidade sem fins lucrativos e com a nobre missão de defender o património da cerveja em Portugal, a Confraria da Cerveja teve como objetivo promover, divulgar e comemorar os benefícios da cerveja nas suas múltiplas vertentes.

Presta homenagem à memória medieval ao incorporar no seu símbolo principal - o logótipo - elementos associados à produção desta bebida nomeadamente, as alfaias, o tanque de madeira (onde se produzia cerveja), o lúpulo e a cevada. Por outro lado, também o traje, o chapéu e as insígnias fazem essa ligação através da cor e dos pequenos detalhes que demonstram a riqueza e longevidade da tradição cervejeira.

Atualmente, a Confraria da Cerveja conta já com mais de 500 Confrades, entronizando anualmente Colaboradores das Cervejeiras (Confrades Mestres), Personalidades/Líderes de Opinião (Confrades de Honra) e Parceiros do Setor Cervejeiro Português (Confrades Protetores). O intuito da entronização é tornar os novos Confrades Embaixadores da Cerveja em Portugal, contribuindo para a sua divulgação, prestígio e dignificação.

São Jorge, O Patrono

A existência de um patrono remonta às origens medievais das confrarias, enquanto irmandades de mestres, numa época de intensa religiosidade em que a invocação de figuras santas para ultrapassar as dificuldades diárias era uma prática comum. Daqui resultou que quase todos os ofícios ou profissões tinham o seu santo protetor, uma tradição que ainda hoje conseguimos atestar.

No caso dos mestres cervejeiros existem vários santos associados às diversas confrarias espalhadas por toda a Europa. Por exemplo, Santa Brígida ou São Augustine de Hippo é associada aos bons consumidores, São Arnold de Metz, Arnold de Soisson e Arnold de Ourdenaarde estão ligados a milagres praticados através da cerveja, Santa Hildegarde von Bingen é exaltado por ter deixado inúmeros escritos sobre esta bebida, São Venceslau e São Jorge são também patronos associados à cerveja e com uma forte notoriedade em certos países ou regiões.

Portugal é um exemplo, ao ter uma forte associação a São Jorge e prova disso são as histórias, romarias, igrejas e nomes de localidades a ele dedicadas. Desta forma, foi também a escolha natural para santo patrono da Confraria da Cerveja.

Enquanto figura ligada à história nacional, lembrar que o grito “por São Jorge” foi utilizado em várias batalhas desde o tempo de D. Fernando na luta com Castela e invocado por D. Nuno Álvares Pereira na batalha de Aljubarrota, que mandou edificar uma ermida em sua homenagem no local onde esteve içada a bandeira portuguesa durante o conflito.

A ligação entre São Jorge e a cerveja nasce na Idade Média, época de grande devoção a este santo e de grande apogeu desta bebida, tida como intrinsecamente sã. E desde aí, algumas das principais características desta figura religiosa passaram a ser atributos associados à própria cerveja, nomeadamente a força, o vigor e a jovialidade.

Mesmo quando a cerveja ganhou estatuto de atividade económica, a imagem de São Jorge continuou a ser utilizada nos rótulos e o nome deu origem a uma marca em Portugal, com a particularidade de ter sido uma marca transversal às empresas que deram origem aos principais grupos cervejeiros nacionais.

Além disso, o dia de São Jorge, 23 de abril, é uma data muito ligada à tradição cervejeira. É o dia que habitualmente marcava o fim do período anual de produção de cerveja, dada a aproximação da época de calor, e é também a data da promulgação da Reinheitsgebot (Lei da Pureza da Cerveja) pelo duque Guilherme IV da Baviera, em 1516, que instituiu os ingredientes base para o fabrico de cerveja: água, malte de cevada e lúpulo. A levedura de cerveja não era conhecida à época.

Manifesto

Missão

Ser Embaixador da Cerveja em Portugal contribuindo para a sua divulgação, prestígio e dignificação.

Aspiração

A Confraria da Cerveja promove a paixão pela cerveja em Portugal através da rede de confrades e atividades que desenvolve. Os nossos confrades devem honrar a responsabilidade de serem representantes do setor e dos valores que a cerveja simboliza.

Em que acredita?

Somos entusiastas da Cerveja, da sua cultura e dos momentos conviviais que ela proporciona. Pelo seu contributo para todos os setores da economia, pela sua presença ao longo da história do homem, pela abrangência dos seus apreciadores, pela sociabilidade que gera, pelos benefícios que aporta quando consumida com moderação e pela diversidade que exibe, torna a cerveja uma bebida única. O consumo de cerveja é ainda mais que tudo um ato de celebração de prazer para todos os sentidos.

O que faz?

Entronizamos pessoas, líderes de opinião que em cada ano mais representam os valores cervejeiros. Promovemos a Cerveja e os seus atributos e benefícios através da partilha de experiências e rituais cervejeiros. Incentivamos os Confrades a participar em iniciativas cervejeiras. Criamos fóruns e eventos onde os Confrades possam desenvolver o seu espírito de comunidade cervejeira e viver os valores da Cerveja.

Como?

Alargando progressivamente o número de Confrades e reforçando a sua ligação e envolvimento com a Cerveja. Fomentando a educação e informação sobre a Cerveja, através de redes sociais e outros fóruns que envolvam relacionamento interpessoal. Abrindo a Confraria ao exterior, reconhecendo os consumidores que maior contributo deram em prol do desenvolvimento dos valores e qualidade da cerveja em Portugal.

Estatutos & Usanças

O funcionamento Confraria da Cerveja está determinado em dois documentos: os Estatutos e o regulamento interno, as Usanças, que constitui a regulamentação pormenorizada de todas as ações e atividades da Confraria.

 

Estatutos da Confraria da Cerveja

Usanças da Confraria da Cerveja